sábado, maio 30, 2009

A LEI DOS MAIS FORTES


Sentado numa câmara imersa em escuridão, Hyraktar permanece imóvel como que a escutar, perscrutando entre os silêncios.De repente abre os olhos e num esgar de ódio ergue-se e estilhaça o espelho que se encontrava diante dele só com o olhar - "Eu já te subestimei demasiado, irei esmagar-te como se esmaga um insecto!" e dirige-se intempestivamente para o pátio.Nayka e Aschka vão ao seu encontro e fitam-no com alguma impaciência, - "O momento decisivo está cada vez mais próximo... não podes hesitar se queres realmente ser o Eleito... e aí terás o nossa lealdade...antes disso não te seguiremos a lado nenhum, por isso se queres ir contra os rebeldes liderados por Athertyssen, avanças sozinho para a tua morte..." - Hyraktar engole em seco e cada vez mais se sente consumido pela raiva de ter sido ludibriado por Athertyssen e pelos seus supostos aliados Hodrakon, até que por fim concede a si próprio um momento de reflexão - "Compreendo, a vontade do Senhor das Sombras está acima de tudo, preparemo-nos então para o ritual de invocação e a organização do exército." - e abandona o pátio de forma serena. Aschka meneia a cabeça, sob o olhar atento de Nayka, - "É pena... se ele não se conformasse eu teria acabado com a vida miserável dele" - que sente exactamente o mesmo que a sua irmã - "Não vale a pena Aschka, ambas sabemos que ele está desesperado, e que poderá não estar à altura... mas sabemos o que podemos fazer... vamos dormir?" - "Sim, vamos..." - e retiram-se para o seu leito de mão dada, onde aguardam Karunka e Ripaka.Em breve as quatro estão juntas no leito, onde se acariciam umas às outras, beijam-se e mordem-se, e de repente entram em transe e começam a entoar uma oração de invocação e lentamente os seus corpos começam a alterar-se, com as pele macia e os cabelos suaves a darem lugar às escamas e línguas sibilantes! De repente uma esfera de fogo surge no ar, e torna-se uma esfera negra com tentáculos esfumados, as quatro em transe saúdam a bizarra aparição - "A Sombra é a minha visão, para me proteger da cegueira da Luz e para sermos victoriosos entre a destruição.... Senhor.... as tuas filhas pedem pela tua Palavra..." - que permanece imóvel mas que começa a falar, sem se conseguir distinguir de onde vem a voz, que é na verdade muitas vozes em uníssono - "Irão ter sempre refúgio na Sombra todos aqueles que se opuserem à Luz... falai...." - Aschka ergue-se humildemente seguida das suas irmãs e respondem em uníssono, - "Senhor, tememos pela fraqueza do Eleito... e pela sua obsessão..." - ouve-se uma grande silêncio sepulcral, que é quebrado por um silvo - "Previsível... por isso vos enviei também... quando eu descender para este mundo, as quatro tornar-se-ão uma comigo, e mergulharemos este mundo nas sombras... contudo, deixem-no viver até ao ritual...depois desfaçam-se dele, e agora deixo-vos...sinto poderes nas redondezas que estão a tentar escutar-nos..." - e rapidamente se desvanece, deixando-as perplexas."Se fosse ele, saberiamos... este está mais distante... de qualquer das formas, não faz a mínima diferença para nós..." - Sorri Aschka, que se aconchega a Karunka lambendo-lhe os seios.Sufranon permanece imóvel na torre de vigia enquanto Athertyssen e o resto dos seus companheiros repousam - "Previsível de facto... " e voa até a câmara onde Sarak está a dormir, acordando-o com uma bicada na testa - "AH! Que se passa?!" - acordando-o em sobressalto."Mostra-me o Livro Negro das Almas! Temos que procurar rituais nos feitiços de invocação!" - Sarak apressa-se a ir buscar o livro e traz uma vela para alumiar a câmara, enquanto acende o cachimbo - "Isto pode não ser nada, mas talvez consigamos manter o Senhor das Sombras longe daqui e suprimir os invasores! É esse o ritual... vamos ver os passos..." - Sarak transcreve as páginas minuciosamente com Sufranon poisado no seu ombro - "...eclipse... quatro pontos cardeais... quatro elementos... o Eleito... a Pedra da Encarnação... sangue...sangue... não fala nisso....mas... não precisavam do sangue? Eles viram uma cúpula repleta de sangue humano quando te foram salvar.... se não há sacrifício... hmm bem... não importa, temos de invadir a fortaleza antes da cerimónia... que é no eclipse... e a sábia da tribo dos Hodrakons sabe quando isso será! Podemos ir lá agora....que dizes? Hmm? Estás a ouvir?" - passado algum tempo Sarak está de novo a dormir e Sufranon suspira - "Deixa...vou lá eu!"

0 comentários: