sexta-feira, fevereiro 16, 2007

RECEIOS ...



No mesmo instante em que sentiram o turbilhão, o turbilhão desaparece, eles estão já no acampamento dos Hodrakons.
Ash cai de joelhos e cheira o solo, com um ar mais aliviado, - "Finalmente estamos livres daquele sítio maldito, sinto como se sufocasse lá dentro!" - que é também partilhado pelos outros, especialmente Sarak - "O que tu dizes faz bastante sentido, Ash... aquele sítio é um foco maligno... estou mais que certo que é ali que irá surgir o Senhor das Sombras... temos que agir com rapidez!", que nem se aguenta em pé.
"Seria prudente irem agora descansar para recuperarem as vossas forças, temos muita coisa para preparar..." - Aconselha Thy-Sorak, que faz sinal a quatro companheiros para os acompanharem. Sufranon observa preocupado enquanto voa para o ombro de Sel-Haczak - "Eu receio que esta missão pode ter sido demasiado arriscada...ao ponto de...", Sel-Haczak reflecte no que o corvo disse e cerra os punhos, talvez partilhando do receio dele - "Achas que elas conseguem fazer isso...Mestre Sufranon?" - "Lembra-te que as quatro não são deste mundo... são demónios ao serviço do Senhor das Sombras... até o Hyraktar as teme, embora não o deixe transparecer... esperemos que eles durmam, e depois teremos que os questionar sobre alguma sensação estranha....", o corvo agora permanece mudo. Sel-Haczak compreende a preocupação e dirige-se para o local onde Sarak convalesce. "Deve ser difícil lidar com isto não é? Sinto que ele é como um filho para ti..." - Sufranon continua mudo, ao que depois responde com uma voz pesarosa: "Sim, é verdade... apesar de ser ele filho daquele maldito, eu tinha um enorme carinho pela mãe dele, e castiguei Hyraktar pelo mal que lhe fez a ela... procurei nunca falar do pai dele com desprezo e raiva, queria que ele fosse um mago puro e alto..." - "E conseguiste..." - Interrompe Sel-Haczak enquanto passam pelos dois sentinelas que guardam os aposentos de Hyraktar, - "Eu por outro lado, não sei se alguma vez o meu pai sentiu isso por mim, não sentia afecto, mas posso afirmar que sentia a confiança do meu pai ao ter-me entregue os seus exércitos. Se ao menos eu pudesse ter evitado que ele tivesse sido assassinado por aquele cão traiçoeiro do Tygramir..." - "Tenho a certeza de que Myrak-Zul sempre teve orgulho em ti, e neste preciso momento tu honras o seu nome..." - Sel-Haczak meneia a cabeça afirmativamente e deixa Sufranon com Sarak, - "Estarei lá fora, Mestre.... vou verificar a moral dos meus soldados e o estado das nossas defesas..." - "Sim... ficarei aqui até que ele se levante, depois falamos." Sufranon grasna e permanece na cabeceira de Sarak e Sel-Haczak abandona a câmara, com as mãos postas nos punhos dos seus alfanges.

0 comentários: